quinta-feira, 31 de julho de 2014

LADRÕES FAZEM ASSALTO E ATIRAM CONTRA POLICIAL MILITAR.

Dois amigos estavam conversando em uma das ruas do bairro Aruanda, zona de expansão de Aracaju, quando foram surpreendidos por dois elementos que transitavam em bicicletas e, realizaram um assalto, em posse de um revólver calibre 38, na noite desta quarta-feira (30).

De acordo com informações das vítimas, os dois elementos mandaram que eles entregassem o telefone celular e carteira com documentos. Também tomaram todos os pertences das vítimas. O militar estava desarmado, pois estava perto de sua residência, não tendo condição de reagir contra os dois assaltantes.

Os ladrões, para se certificar que roubaram todos os bens das vítimas, revistaram os dois homens. Durante a revista, um dos elementos efetuou um disparo de revólver contra o policial militar. Os bandidos não perceberam que o homem era militar. Caso o tivessem percebido, teriam lhe matado.

Após o assalto, os dois elementos seguiram em direção ao bairro Santa Maria. Houve tentativa de busca para localizá-los, mas a polícia não obteve êxito.

Fonte:  F5 News (Márcio Rocha)

73% DOS POLICIAIS SÃO FAVORÁVEIS À DESMILITARIZAÇÃO DA PM, APONTA PESQUISA.

Pesquisa realizada pela Fundação Getúlio Vargas revela, também, que 93% dos servidores acreditam que a corrupção é o principal problema da corporação


Pesquisa realizada pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP) e pela Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp) revelou que 93,6% dos policiais militares acreditam que a corrupção compromete a eficiência do trabalho das corporações.

73,7% defendem a desvinculação da carreira com o exército, e quando o recorte é feito apenas aos policiais militares, este índice sobe para 76%. Fato que, de acordo com o estudo, significa que os servidores da PM são favoráveis à sua desmilitarização e que o Brasil precisa aprofundar o debate sobre o assunto.

Outro dado unânime entre os entrevistados foi a questão salarial: 99% consideram que ganham um salário baixo e 98% declararam que a formação e o treinamento são deficientes. 83% afirmaram que, em caso de morte de suspeitos, os policiais devem ser investigados, e outros 43% disseram que o agente deve ser inocentado. Por fim, 43,2% acreditam que o policial que mata um criminoso deve ser premiado.

A pesquisa foi realizada entre os dias 30 de junho e 18 de julho com integrantes das polícias Militar, Civil, Federal, Rodoviária Federal e também do Corpo de Bombeiros. Um questionário foi enviado a 463.790 policiais e foi respondido por 21,1 mil agentes de segurança de todo o país.

Fonte:  Revista Fórum

quarta-feira, 30 de julho de 2014

PROJETO EXIGE CURSO SUPERIOR PARA INGRESSO NA POLÍCIA E NO CORPO DE BOMBEIROS.

Deputado quer garantir um padrão nacional também mínimo para o ingresso nas fileiras dessas instituições.


Tramita na Câmara dos Deputados o Projeto de Lei 6632/13, do deputado William Dib (PSDB-SP), que exige curso superior para o ingresso na Polícia e no Corpo de Bombeiros Militar. O texto exige ainda curso de Direito para entrar no quadro de oficiais dessas instituições.

Hoje as exigências previstas no projeto não constam do Decreto-Lei 667/69, que reorganiza as polícias militares (PM) e os Corpos de Bombeiros Militares dos estados e do Distrito Federal. O projeto altera esse decreto-lei.

A proposta também padroniza os demais requisitos para o trabalho nessas corporações, pois, atualmente, cada estado tem uma legislação diferente para o ingresso na PM e no Corpo de Bombeiros.

Escolaridade

De acordo com a proposta, quanto ao grau de escolaridade, o interessado deverá comprovar a conclusão de:
- curso de bacharelado em Direito, para o ingresso na carreira de Oficial do Quadro de Oficiais Policiais Militares (QOPM);
- curso de graduação superior nas áreas de interesse (médico, enfermeiro, etc), conforme regulamentação própria de cada instituição policial militar, para os praças ingressarem na carreira de Oficial do Quadro de Oficiais Especialistas; e
- curso de graduação superior em qualquer área, para o ingresso na carreira de Praça de Polícia Militar.

O projeto prevê que as unidades da Federação que não possuírem essas exigências para o ingresso na carreira terão o prazo de três anos para se adaptarem às novas normas.

Demais condições

Segundo o texto, são condições básicas para trabalhar na PM e no Corpo de Bombeiros:

- ser brasileiro;
- estar quite com as obrigações militares e eleitorais;
- não ter antecedentes penais dolosos;
- estar no gozo dos direitos políticos;
- ser aprovado em concurso público;
- ter procedimento social irrepreensível e idoneidade moral;
- ter capacitação física e psicológica compatíveis com o cargo, verificados através de exame de aptidão; e
- ser aprovado em exame de saúde e exame toxicológico com larga janela de detecção.

Promoção

Ainda conforme a proposta, observada a legislação própria de cada unidade da Federação, o acesso na escala hierárquica tanto de oficiais quanto de praças será gradual e sucessivo, e o processo de promoção de cada posto ou graduação deverá observar os critérios de antiguidade, bravura, post mortem e ressarcimento de preterição.

Por fim, o texto estabelece que as Polícias Militares manterão cursos em estabelecimento de ensino da própria polícia militar, podendo, ainda, ser desenvolvido em outra unidade federada, ou em parceria com instituições de ensino superior, públicas ou privadas, como requisito para a promoção.

“Ao longo da sua existência, as Polícias Militares foram obtendo padronização, porém impostas pelo governo militar”, explica William Dib. Depois do processo de redemocratização, continua o parlamentar essas corporações passaram a editar, nos estados, legislações diferenciadas quanto às exigências mínimas para o ingresso nas suas carreiras.

Como consequência, acrescenta, não há um padrão nacional também mínimo para o candidato ao ingresso nas fileiras dessas instituições. “Isso traz sérios problemas, levando em conta os serviços que esses profissionais vão desempenhar junto à sociedade após integrarem o efetivo ativo das Polícias Militares.”

Tramitação

O projeto, que tramita em caráter conclusivo, será analisado pelas comissões de Trabalho, de Administração e Serviço Público; de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.


Fonte:  Agência Câmara

43% DOS POLICIAIS ACREDITAM QUE CORPORAÇÃO DEVE PREMIAR QUEM MATA CRIMINOSO.

Segundo pesquisa, quase 40% dos policiais pretendem sair da corporação se conseguirem outra oportunidade profissional


Quase metade dos agentes de segurança (43,2%) acredita que o policial que mata um criminoso deve ser premiado pela corporação. Os dados são da pesquisa "Opinião dos Policiais Brasileiros sobre Reformas e Modernização da Segurança Pública”, realizada pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, em parceria com o Centro de Pesquisas Aplicadas da Fundação Getulio Vargas (CPJA-FGV) e o Sistema Nacional de Segurança Pública (Senasp), divulgada nesta quarta-feira (30).

A pesquisa foi respondida por 2,1 mil agentes de segurança, entre policiais militares (52,9%), civis (22%), federais (10,4%), rodoviários federais (4,1%), bombeiros (8,4%) e integrantes de polícias científicas (2,3%).

Apesar de alarmante, o alto porcentual dos policiais que acreditam que a morte de um criminoso deva merecer recompensa pode refletir uma autodefesa, explica a pesquisadora Thandara Santos, integrante do Fórum e quem também assina o estudo.

"A pesquisa foi anônima, então os policiais se expressaram abertamente, sem medo. Falaram o que pensam, livres de ter de reproduzir os códigos da corporação. O que nos parece é que essa lógica é uma forma de lidar com a pressão diária a que são submetidos", afirma a pesquisadora.

Para a diretora da Human Rights Warch, uma ONG mundial de direitos humanos, no Brasil, Maria Laura Canineu,  mortes causadas por legitima defesa ou para defesa do policial são justificáveis, mas o restante deve ser punido. 

"Ainda é muito preocupante que policiais sejam coniventes com abusos. Matar em legitima defesa ou de terceiros é padrão internacional e qualquer morte neste sentido é compreensível e aceita do ponto de vista legal e dos direitos humanos. Mas tudo que exceda essa conduta é crime e deve ser punido, não premiado.

Quero outro emprego

Três em cada dez agentes de segurança pública de todo País (34,4%) mudariam de profissão se tivessem oportunidade e 38,7% afirmam que, se pudessem voltar no tempo, escolheriam outra carreira para seguir.

Para a pesquisadora Thandara, esse cenário de desencanto não é novo, mas pode ter sido agravado pelo contexto das manifestações, em que atos entendidos como tortura fizeram com que a confiança na polícia ficasse ainda menor.

"Este dado está muito atrelado à baixa confiança na polícia, o que pode ser validado com outros números do estudo, como por exemplo o de que 65% deles já sofreram preconceito por serem policiais. Pesam também a opressão hierárquica [58,3% acreditam que a hierarquia provoca desrespeito e injustiça profissionais] e os obstáculos no exercício da função", explica Thandara. 

De acordo com o levantamento, os agentes apontaram alguns obstáculos que impedem que a carreira seja exercicida de forma mais eficiente. Os baixos salários foram considerados problemas para 99,1% dos entrevistados, o contingente policial insuficiente para 97,3%, a falta de verba para equipamentos e armas foi a resposta de 97,3%, as leis penais inadequadas por 94,9% e corrupção foi apontada por 93,6%.

A maior parte dos agentes (65,9%) também disse já ter sido discriminado por causa da profissão e 59,6% afirmarem que já foram humilhados por superiores diretos, diz a pesquisa.

Para diminuir o problema, segundo a pesquisa, 93,7% dos agentes dizem querer a modernização dos regimentos de acordo com a Constituição, 73,7% responderam que apoiam a desvinculação ao Exército e 63,6% defendem o fim da justiça militar.

"Se considerarmos apenas os policiais militares, 76,1% defendem o fim do vínculo com o Exército. O que é um sinal claro de que o Brasil precisa avançar na agenda da desmilitarização e reforma das forças de segurança”, afirma Renato Sérgio de Lima, vice-presidente do Conselho de Administração do FBSP e pesquisador da FGV.

Fonte:  IG (Ana Flávia Oliveira)

DESMILITARIZAÇÃO DAS POLÍCIAS.


Em pleno século XXI, após 30 anos do fim da ditadura militar, não é mais possível ter no quadro da segurança pública uma instituição militarizada. Como todas as outras instituições, a polícia militar necessita pôr um fim ao militarismo e acabar de uma vez por todas com essa anomalia que existe no nosso Brasil. O policial não deve ser tratado diferente por ser militar e não deve seguir as normas militares, isso faz com que o policial militar seja a instituição aonde ocorre os maiores abusos disciplinares com os subordinados, bem como interfere significativamente no serviço de segurança pública prestado a sociedade. Hierarquia sempre irá existir, porém com a desmilitarização veremos uma polícia melhor qualificada e um serviço segurança pública de eficiência em nosso país.

Fonte:  Blog Heronides Mangabeira

AMESE COMUNICA AOS COMPANHEIROS MILITARES SOBRE A MISSA DE 7º DIA DO CB. ROBSON LIMA DE OLIVEIRA.



A AMESE comunica aos companheiros militares que a Missa de 7º Dia em sufrágio da alma do companheiro Cb. PM Robson Lima de Oliveira, que era lotado no COE, será realizada na próxima sexta-feira, dia 1º, às 19:00 horas, na Igreja Santa Lúcia, situada na Rua Luiz Carlos de Aguiar (antiga Rua 19), nº 26, no Conjunto Santa Lúcia.

Desde já familiares e amigos agradecem a todos que comparecerem.

AMESE OFICIA SUPERINTENDÊNCIA DA RÁDIO ILHA FM ARACAJU SOLICITANDO GRAVAÇÃO DE PROGRAMA ONDE OUVINTE FAZ ACUSAÇÕES INFUNDADAS A POLICIAIS DO GETAM.

Na manhã desta quarta-feira, dia 30, a AMESE, através da sua assessoria jurídica, através do Dr. Márlio Damasceno, oficiou a superintendência da Ilha FM Aracaju, solicitando cópia da gravação do programa Jornal da Ilha 2ª Edição, apresentado pelo radialista Jailton Santana, onde um ouvinte entrou no ar e fez acusações infundadas aos policiais militares do GETAM.

No ofício, também é solicitado que seja identificado o nome do ouvinte e seu número de telefone, para que o mesmo possa ser interpelado judicialmente para que prove as acusações feitas no citado programa, maculando a honra e a moral dos PMs do GETAM, já tendo disponibilizado inclusive, para a emissora, cd para gravação do programa.

Vejam abaixo o ofício protocolado pela AMESE junto a Ilha FM Aracaju:

AMESE DEFENDE POLICIAIS DO GETAM EM PROGRAMA DE RÁDIO.


Na tarde desta terça-feira, por volta das 17:35 horas, a AMESE, através do Dr. Márlio Damasceno, participou do programa Jornal da Ilha 2ª Edição, da Ilha FM, apresentado pelo radialista Jailton Santana, defendendo os policiais do GETAM.

Durante a apresentação do citado programa, um ouvinte, irresignado por ter sido multado e seu veículo apreendido pelo GETAM, em virtude de estar circulando com seu veículo sem o CRLV no bairro Santa Maria, documento que é de porte obrigatório, passou a proferir diversos impropérios na emissora, dizendo que policiais militares da citada unidade eram truculentos, despreparados e que, se tivesse aceitado uma "conversinha de canto", não teria sido multado nem seu carro apreendido, generalizando a todos, momento em que foi questionado pelo radialista se poderia identificar os policiais, tendo o ouvinte dito que teria receio, por ser identificado.

Imediatamente o assessor jurídico da AMESE, Dr. Márlio, fez questão de participar do programa, via telefone, repudiando a atitude do ouvinte, pois o mesmo estava generalizando negativamente os policiais militares do GETAM, que relevantes serviços têm prestado à sociedade sergipana.  Asseverou ainda que é fácil tentar macular a imagem se pessoas sem prova, dando como exemplo o caso da cantora Rita Lee, que pagou indenizações a PMs.  Disse ainda o advogado, que o GETAM cumpriu o que determina a lei, portanto agiu dentro da legalidade e se o ouvinte quisesse poderia procurar a Corregedoria da corporação ou o próprio Ministério Público Militar para fazer a denúncia, porém, caso não provasse as acusações, poderia responder criminalmente e civilmente.

A AMESE estará oficiando a Ilha FM, solicitando cópia do programa, bem como, solicitando que seja identificado o telefone do ouvinte que fez as acusações indevidas, para que, caso algum associado da entidade deseje, acionar aquele na justiça, com o objetivo de provar tais acusações.

AMESE, A ASSOCIAÇÃO QUE DEFENDE OS MILITARES SERGIPANOS.

SEM SEGURANÇA, RODOVIÁRIOS AMEAÇAM PARAR TRANSPORTES.

Apenas este ano foram quase 600 assaltos a ônibus, uma média de três/dia.

Diante da violência e da falta de segurança, os cerca de quatro mil rodoviários prometem parar o sistema de transporte público de Aracaju e Grande Aracaju, caso o número de assaltos não seja diminuído em até 30 dias. Só para se ter uma ideia, a insegurança tem feito muitos motoristas e cobradores migrar para outras atividades. Também não é para menos. Segundo o Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Rodoviário de Aracaju (Sintrasa), de 1º de janeiro até dia 28 deste mês foram computados 586 assaltos a ônibus; em média três por dia.  

O sindicalista Miguel Belarmino, presidente do sindicato da categoria, chama a atenção para o crescimento desse tipo de investida em relação a 2013, quando foram registrados 678 assaltos a ônibus durante todo o ano. “Isso sem falar nos oito rodoviários agredidos por criminosos que deram entrada no Hospital de Urgência de Sergipe (Huse) só este ano”, diz o líder sindical. Ainda de acordo com ele, hoje, motoristas e cobradores saem para trabalhar, mas não sabem se voltam para casa. “Essa insegurança tem feito muitos colegas abandonarem a profissão e partirem para outras atividades”, ressalta Miguel. 

Segundo ele, os assaltantes estão agindo a qualquer hora. “Atualmente, há assaltos e arrastões tanto de manhã como de noite”, atesta Miguel Belarmino. O sindicalista destaca que as linhas mais visadas pelos criminosos são Parque São José, Santa Maria, Piabeta, Jardim e Soledade.  “No Terminal Leonel Brizola, por exemplo, a catraca fixa foi assaltada 18 vezes só esse ano.  Fazemos um apelo para que o Governo do Estado, junto com a Polícia Militar, aumente o número de abordagens nos carros. Isso porque, quando há abordagem , diminui consideravelmente o número de assaltos”, atesta o presidente do Sintrasa. 

Polícia Militar

O coronel Jackson do Nascimento, do Comando de Policiamento da Capital (CPMC), informa que até o mês de junho deste ano foram realizadas 1.548 abordagens a ônibus, o que dá uma média de 258 por mês, cerca de 26 por dia. Ainda de acordo com ele, as operações são executadas em toda a região metropolitana, geralmente no final da tarde e durante a noite. “Estaremos sempre tentando implementar um policiamento mais eficiente, seja através do aumento no número de abordagens ou através de operações de inteligência”, garante ele.

Fonte:  Jornal da Cidade

CONTINUA PROCURA PELA FAMÍLIA DE CRIANÇA AUTISTA DEIXADA EM SHOPPING.

Foto:  Ana Lícia Menezes

Uma criança de aproximadamente 10 anos foi abandonada em um dos shoppings da capital Sergipana no último dia 20. A criança é autista e não possui habilidade de fala. 16ª Vara Cível Privativa da Infância e Juventude começou a atuar no caso a fim de que a família da criança seja localizada. A secretária Municipal da Família e da Assistência Social (Semfas) está prestando apoio ao menor que não possui nenhum tipo de identificação. O menino foi levado ao Abrigo Caçula Barreto, no bairro Olaria e ficou conhecido como Gabriel.

Quando foi encontrado, ele portava uma mochila amarrada à sua cintura contendo algumas peças de roupa, fralda descartável e medicamento controlado. De acordo com a coordenadora do abrigo, Sandra Souza, a criança foi encaminhada ao Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) para receber acompanhamento psicológico. A criança é de cor branca, cabelos castanhos claros, possuindo aproximadamente 1 metro e 45 altura.

Quem tiver informações verídicas sobre a família da criança pode ajudar ligando para o telefone (079) 3205-9400.

Fonte:  F5 News

terça-feira, 29 de julho de 2014

MAIS UM TRABALHO REALIZADO PELA AMESE: SSP RESPONDE A OFÍCIO DA AMESE SOBRE COMPRA DE SONAR PARA O CBM/SE.


Nesta terça-feira, dia 29, a AMESE recebeu ofício resposta da Secretaria de Segurança Pública, informando que já foram iniciadas as tratativas necessárias para aquisição do equipamento conhecido como SONAR, que será disponibilizado para o Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Sergipe.

No dia 21 deste mês e ano, a AMESE, através do Sargento Vieira, havia encaminhado ofício ao Secretário de Segurança Pública, Dr. João Eloy, solicitando a compra do equipamento SONAR, que foi emprestado pela Força Nacional, quando das buscas às vítimas do prédio de desabou na Coroa do Meio, mostrando-se um equipamento de extrema importância para ser utilizado em casos de desabamentos e desmoronamentos.

A AMESE agradece ao Secretário de Segurança Pública por ter respondido ao ofício da entidade, e principalmente, por ter informado que irá adquirir o equipamento solicitado para ser disponibilizado e utilizado pelo CBM/SE.

A associação estará atenta, aguardando um prazo para a aquisição do SONAR, pois caso demore mais do que necessário, será feita nova cobrança e avaliada a possibilidade de acionamento do Ministério Público para assegurar a compra do equipamento citado.

Confiram abaixo o ofício resposta da SSP e o ofício que tinha sido encaminhado pela AMESE:


POLICIAIS ACREDITAM QUE CORRUPÇÃO NAS CORPORAÇÕES DIFICULTA TRABALHO.


RIO — Pesquisa realizada com 21.100 policiais de todo o país mostra que 93,6% deles acreditam que a corrupção nas corporações dificulta o trabalho. O levantamento — produzido pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, pela Escola de Direito da Fundação Getulio Vargas (FGV) e pela Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp) — ouviu, entre 30 de junho e 18 deste mês, integrantes das Polícias Militar, Civil, Federal e Rodoviária Federal e do Corpo de Bombeiros.

Outra questão tratada foi a desvinculação das polícias do Exército, apoiada por 73,7% dos entrevistados. Entre os policiais militares, esse número sobe para 76%. Os policiais também foram quase unânimes quando disseram que baixos salários (99%) e formação e treinamento deficientes (98,2%) tornam mais difícil o trabalho dos profissionais. A maioria dos entrevistados apontou a integração das polícias em carreira única e de natureza civil e a diminuição da burocracia como caminhos para a modernização das corporações.

— Eles querem menos burocracia, uma organização que consiga dar eficiência à máquina pública — diz Renato Sérgio de Lima, pesquisador da FGV.

DIREITOS DOS CIDADÃOS

Apesar de as respostas sinalizarem anseio de Justiça — 83,7% disseram acreditar que o policial que mata um suspeito deve ser investigado e julgado —, 43,3% deles acham que esse mesmo agente deve ser inocentado. Outros 43,2% dos entrevistados acreditam que um policial que mata um criminoso deve ser premiado pela corporação.

— Você tem uma corporação disposta a mudar, mas com a permanência da ideologia de que bandido bom é bandido morto. Quase todos levantam a bandeira da integração e de uma polícia mais próxima da população e menos burocrática, mas é preciso investir na formação de agentes que respeitem os direitos — comenta Lima.

Fonte:  o Globo

DELEGACIA DE TOBIAS BARRETO REGISTRA TRÊS FUGAS EM 30 DIAS.

Durante a revista, foram encontrados celulares e estiletes

A Delegacia Regional de Tobias Barreto registrou três fugas nos últimos 30 dias (Foto: arquivo Portal Infonet)

A fuga de presos tem se tornado um fato constante na Delegacia Regional do município de Tobias Barreto. Somente nos últimos 30 dias, foram registrados três episódios de fugas que resultaram em um total de 11 detentos na rua. A última delas foi registrada no domingo, 27, quando os presos serraram as grades das celas e fugiram pelos fundos do prédio.

De acordo com o delegado Ataíde Menezes, o local sofre com a super lotação, já que abriga 30 presos distribuídos em três celas pequenas que tem capacidade para no máximo, quatro detentos. “As transferências de presos ficaram prejudicadas no período da greve dos agentes penitenciários e também por conta ordem judicial referente à quantidade de presos nas delegacias de Aracaju”, justifica.

O delegado explica que foram realizadas revistas nas quais foram encontrados celulares, carregadores de celulares e estiletes improvisados. O material foi apreendido e encaminhado a Corregedoria de Polícia Civil para investigação.

“Os servidores plantonistas fazem a revista dos pertences das pessoas que chegam para visitas. É bom investigar como esses objetos entraram, se foi através deles ou se um estranho teve acesso á área da delegacia e levou esses materiais”, explicou.

A lista com os nomes dos fugitivos foi divulgada. Confira:

1. Joelson Souza Damasceno (porte ilegal de arma)
2. Edmilson Rodrigues Dos Santos (furto)
3. Wesley Alves Dos Santos (porte ilegal de arma)
4. Heraldo Pereira Dos Santos (furto)
5. Gleison Oliveira De Jesus (tentativa de homicídio). Obs: apresentou-se três dias depois ao promotor da Vara Criminal de Lagarto e se encontra preso novamente.
6. Douglas Santos Almeida
7. Daniel Valença De Almeida (tráfico de drogas)
8. Dilton Thiago Dos Santos Valença (tráfico de drogas)
9. Josenilson Celestino Dos Santos (porte ilegal de arma)
10. Daniel Da Costa Cruz (roubo)
11. Jonathan Santos De Oliveira (roubo)

Fonte:  Infonet

MÉDICA É DETIDA POR DESACATO DEPOIS DE EXPULSAR BOMBEIROS DE UM HOSPITAL DO DISTRITO FEDERAL.

Os militares transportaram uma paciente em estado grave até a unidade de saúde


A médica Luiza Virgínia Pimentel, plantonista do HRC (Hospital Regional de Ceilândia), região administrativa do Distrito Federal, foi detida na noite desse sábado (26), depois de expulsar bombeiros que conduziram uma paciente com parada cardíaca à unidade de saúde. A mulher morreu minutos depois de chegar ao HRC. 

Segundo testemunhas, a paciente chegou ao hospital por volta das 18h30, transportada por uma ambulância do Corpo de Bombeiros. Ao ser encaminhada para a sala de alta emergência, a chamada Sala Vermelha, a médica questionou os paramédicos que casos como aquele deveriam ser levados ao HBB (Hospital de Base de Brasília), o maior da capital federal, já que o número de médicos estava reduzido no HRC.   

Enquanto a médica realizava procedimentos de socorro, expulsou os bombeiros do setor de atendimento imediato e houve uma discussão. A Polícia Militar foi acionada e a médica foi conduzida a 23ª DP de Ceilândia, assinou um termo de compromisso e foi liberada em seguida. Ela vai responder em liberdade por desacato.

A Secretaria de Saúde do DF informou a Corregedoria da SES/DF vai apurar o caso paralelamente à investigação da Polícia Civil. Por se tratar de um óbito de paciente, a secretaria também irá notificar o Conselho Regional de Medicina para as providencias que considerar pertinentes. 

Esta não é a primeira vez que a médica sai do plantão e vai parar na delegacia. A profissional de saúde é conhecida por causar uma série de confusões. Em abril, durante uma discussão com a acompanhante de um paciente. A médcia teria ficado irritada quando a mulher pediu uma informação e mandou que ela “procurasse uma trouxa de roupa para lavar”. A discussão foi registrada por câmeras do HRC.  

No ano passado, a médica agrediu com dois tapas um paciente que estava internado no HRC com um dos braços engessado. Ela disse que o homem a agrediu com palavrões e ela reagiu aos xingamentos.   

Em julho de 2013, em outra confusão, Luiza Virgínia Pimentel agrediu um segurança do hospital. Segundo o funcionário, a médica não portava o crachá identificador para estacionar o carro em área privativa. Quando o homem pediu o documento obrigatório, ela o agrediu com tapas.   

A Secretaria de Saúde do DF informa que está ciente preliminarmente dos fatos. A Corregedoria da SES/DF vai apurar o caso paralelamente à investigação da Polícia Civil. Por se tratar de um óbito de paciente, a secretaria também irá notificar o Conselho Regional de Medicina para as providencias que considerar pertinentes.

FONTE: R7

OS NOVOS SALÁRIOS DAS POLÍCIAS DO RIO DE JANEIRO.

A Secretaria Estadual de Planejamento do Rio de Janeiro, através de uma reportagem no Jornal O DIA, divulgou os vencimentos que os servidores da área de segurança pública perceberão a partir de 2015. Confira abaixo os valores para cada categoria (Polícia Militar, Bombeiro Militar, Polícia Civil e Administração Penitenciária):

POLÍCIA MILITAR E BOMBEIRO MILITAR


POLÍCIA CIVIL


AGENTES PENITENCIÁRIOS

Fonte:  Abordagem Policial